Meio-dia

28 de mai de 2012















Há quanto tempo não escrevo um poema?
Há quanto tempo esqueci como amar?
Há quanto tempo perdi-me no tempo?
Há quanto tempo? Há quanto tempo?

O futuro parece-me mais distante do que o passado
E mesmo assim os rostos me parecem vagos.
O passado tem o dom de nos tornar ridículos
Por cabelos, roupas e atitudes.
O futuro me reserva a sabedoria?
Não! Doce engano do passado.

Amordaçado

18 de mai de 2012



O amor é um tipo de egoísmo bom.
É sentir-se bem com uma presença,
Ter a alma acorrentada por querer.
O amor é a melhor prisão.

O mais verdadeiro, o familiar amor de mãe,
Incondicionalmente para sempre
Oculto no coração de quem ama.
Mas por que ainda tento sabendo que
O amor é de impossível descrição?