Estrada de flores

7 de nov de 2008









Nossa vida é feita de caminhos
Entre vários outros caminhos
que podemos seguir.

O que somos é a soma
das estradas que escolhemos
E das flores que colhemos
durante a viagem.

O que sou é o que eu não fui
E o que serei é o que eu não sou.

Somos sempre casulos contínuos,
Borboleta e lagarta.
Somos uma versão inacabada
de nós mesmos.

6 comentário(s):

Ariane Rodrigues disse...

Ainda bem que somos inacabados. Seria muito ruim nos descobrirmos seres definitivos, fixos, pré-moldados. Vamos assim, "afinando" e "desafinando"...

Wellington Srbek disse...

Olá Wesley,
Tenho um poema semalhante sobre este estado de "inacabamento" que nos define.
Hoje, porém, eu tavez acrescentasse ao meu e ao teu poema a constatação de que também somos o somatório das perdas que temos pelo caminho.

Nagibe disse...

Oi Wesley,
Que delícia ler sua alma aflorar!!!!
Beijos....
Nagibe

mo_cica disse...

Ontem um casulo
Hoje borboleta
Amanhã...
indefinível

Lily de Freitas disse...

Voc~e é inigualável. Nas atitudes, no olhar, na presença, na forma exata de escrever... Eu te admiro tanto e tanto...

Wesley Viana disse...

Querida Lily, os seus comentários são tão lindos quanto você. Fico orgulhoso de ser seu amigo.