Canteiros

7 de abr de 2010















Ai que vontade de cantar! Cantou José ao avistar o jardim em rosas no canteiro da Central com floridas árvores rumorando no pomar. E ele viu: luz refletida em cores de sua alma no vermelho apaixonado das rosas desabrochadas. Amor brilhante, perfumes coloridos em música das flores. José viu sorriso, viu esperança e viu João.

João no seu canto, observando triste o triste canteiro, as folhas parecendo caçoar com seu canto do desencanto em seu peito. E ele viu: flores caídas e pisadas, vermelho-sangue das rosas desabrochadas. Desilusão, perfumes nauseantes de músicas fúnebres. Jõao viu José, vil sorriso, vil esperança, vil José.

1 comentário(s):

Ariane Rodrigues disse...

Meu amigo...simplesmente maravilhoso!!! Acho que a melhor coisa que li nos últimos meses!!! Ás vezes, a gente é João, às vezes José e quase tudo, no final das contas, é mesmo vão...Bjos