Reminiscências- parte 4

18 de fev de 2011











- Está faltando alguém aqui.

Diz Clara olhando para uma cadeira vazia ao seu lado. Todos ficam em silêncio. Nem mesmo Fernandinha sorri. Bete finalmente desvia os olhos de mim e olha para a cadeira também.

- Sim, ele faz falta!

É Felipe quem diz. A lembrança de nosso amigo ausente faz até mesmo ele se sentir mais íntimo. Sentimos um afeição mútua percorrendo a mesa, como se nossos elos estivessem se juntando novamente. Tudo por uma lembrança que eu preferia não relembrar.

Mexo o pé por debaixo da mesa para aliviar a tensão, torcendo para que Bete não perceba meu nervosismo. Mas ela está tão absorta olhando para a cadeira vazia que eu não preciso me preocupar. É impressão minha, ou os olhos dela estão úmidos?

continua...

Reminiscências- parte 3

10 de fev de 2011










Eu pensei seriamente em não vir a este encontro. Mas uma curiosidade mórbida me impulsionou. Como eles estariam? Envelhecidos? Estabilizados economicamente? Felizes? O nosso elo era forte no passado. Como deixamos as mágoas corroerem nossas correntes? Talvez tudo tivesse ficado esquecido no decorrer dos anos. Mas eu não podia esquecer. E sei que não era o único.

- Não sei o que dizer.
É a resposta que dou a Bete sobre meu silêncio. Posso ver o sorrisinho no canto de seus lábios. Eu estremeço.

- Como você está bonito, Roberto!
O comentário de Fernandinha vem acompanhado por uma gargalhada. Ela espeta um pedaço de carne com um palito e leva aos lábios ainda estampados por um sorriso. 

Acho que a gargalhada de Fernandinha é a única coisa sincera entre nós.

continua...

Reminiscências- parte 2

2 de fev de 2011














Foi a Bete quem mandou os e-mails nos convidando para uma reunião entre os antigos amigos. Mas será que podemos realmente nos chamar assim? Amigos! Eles ficaram sepultados no meu passado: o sorriso de Clara, o olhar perturbador de Douglas, a gargalhada de Fernandinha, a agitação de Felipe e... o mistério de Bete. Nunca consegui decifrá-la. O que ela sabia sobre o nosso passado? Por que ela não tira os olhos de mim? Eu não devia ter vindo. Talvez eu só não esteja mais incomodado do que o Felipe.

- Não poderei ficar por muito tempo. Vocês sabem...negócios.
- Nem parece o Felipe falando. Nunca imaginei ver você de terno.
- As coisas mudam, Clara. Você também mudou, embora não perceba.

Os dois se olham tão profundamente que Douglas fica incomodado. Será que ele sabia? Duvido que ela tenha contado. Ela me disse que nunca contaria. Mas Douglas sempre desconfiou, eu sei disso.
-Por que tão calado, Roberto?
É Bete quem me pergunta. Não sei se estou preparado para responder.

continua...